quinta-feira, dezembro 24, 2009

Perfeição

Não me acho uma pessoa perfeita e nunca vou chegar perto desse tipo de pensamento. Estamos cansados de saber que a pessoa perfeita não existe, mas será mesmo verdade?
O problema é que quando achamos a nossa pessoa perfeita (sim, nossa. Porque cada pessoa tem a sua pessoa perfeita e o seu conceito sobre perfeição), sempre queremos mais, nunca estamos satisfeitos. E isso acaba estragando um pouco as coisas. Porque diabos somos assim, tão insatisfeitos?
Mas existe uma pessoa que é perfeita pra mim. E ao contrário de muitos, estou satisfeita. É sério, podem rir e pensar que esse é um post clichê, mas em qualquer post que escrevo, penso nessa pessoa, então dá na mesma. :P
Se o que sinto é mesmo amor, confesso, o preço é alto demais. Mas não há arrependimento de nada que fiz, nada mesmo. Achei uma razão pra mim continuar acreditando que a vida não é tão ruim assim e que no fim, tudo será melhor.
Por mais que eu escreva, páginas e páginas, não chegarei onde quero. Porque o que sinto não pode ser descrito, somente sentido.

quarta-feira, dezembro 23, 2009

Insuportável


Eu te avisei. Não, não diga que não falei nada. Eu te avisei incontáveis vezes, mas você nunca me ouviu de verdade, parecia estar em outro mundo, fazendo qualquer coisa menos me ouvindo. E agora está aí, completamente depressiva, sem saber o que fazer. Conheço bem dessas histórias, querida. Primeiro vem a euforia, a felicidade e você pensa que vai dar tudo certo, afinal, estar apaixonada é a melhor coisa. Era isso que você pensava, não era?
E depois, quando tudo termina, seu mundo desaba. Você sente uma dor insuportável, e tenta fugir de tudo e de todos. Ok, eu sei que a culpa não é sua, a vida prega essas peças conosco e todo mundo sempre fala do lado bom de se apaixonar, mas sabe qual é o segredo? Saber contornar os erros e seguir em frente. Sim, é isso.
Não escreva em seu diário agora, não agora que você está triste. Sabe porque? É porque você vai escrever as coisas mais tristes e melancólicas que encontrar. Sinto falta do teu sorriso, da tua gargalhada despreocupada e alegre. Não, não volte ao passado. concentre-se no presente e olhe pra mim. Tem tanta coisa linda lá fora, tanta criança feliz. Não, por favor, larga esse diário e vamos sair daqui. Não quero ver você triste assim, não aqui e nem hoje.

domingo, dezembro 20, 2009

Intensidade

- Durou tão pouco tempo. Queria que tivesse durado bem mais isso tudo.
- Não pense no tempo, mas sim, na intensidade.
- Como?
- Assim, pense o quão bom foi, e leve sempre esse momento junto com você. Quando se sentir triste, lembre disso, que você se sentirá bem melhor.
- Mas e a saudade? Foi pouco tempo, mas vai ser muito dolorido lembrar.
- Li algo uma vez que dizia assim: "Na vida não é o passar dos anos que importa, mas sim, a maneira como vivemos os nossos dias. Os anos existem para mostrar que o tempo está passando, e os dias existam para que façamos este tempo valer a pena". Viu? É isso que estou querendo te dizer, se você viveu esses poucos dias intensamente, doerá menos, porque você fez tudo que queria nesse pouco tempo, sem se arrepender de algo que não tenha feito. :)

Desculpa, mas é vício

Sempre fui com a cara do chocolate, sempre!
Não importa a hora, o lugar ou a situação que me encontro, parece que sempre tenho que estar comendo um.
Por esse motivo sempre fui meio gordinha quando era pequena. Ok, bem gordinha. :$
Minha mãe sempre conta que nas festas de aniversário, eu não me importava em brincar com os amigos, mas sim, ficar perto da mesa de doces. E quando me perguntavam o que eu tinha, simplesmente respondia: "Desculpa, mas é vicio".
Tava aí uma bela de uma desculpa, perfeito! :D
O tempo passou, eu cresci, mas esse espírito de sempre desejar chocolate continua.
Quando o Natal está perto, lembro com clareza minha intensa época de chocólatra infantil, e bate uma saudade.
Saudade de quando eu ficava extremamente feliz só de ouvir que ganharia uma barra do melhor chocolate.
Saudade daquele tempo que eu não me preocupava com nada, nem com roupas, nem com a moda e nem em ser magra.
Tenho saudade também de quando eu chegava em casa e tinha uma grande barra de chocolate me esperando.
Mas uma coisa ainda é a mesma, sempre que me perguntam o motivo de sempre comer chocolate eu digo aquela velha frase: "Desculpa, mas é vício". =)

sábado, dezembro 19, 2009

Perguntas

Quantas vezes você andava na rua e sentiu um perfume e lembrou de alguém que gosta muito?Quantas vezes você olhou para uma paisagem em uma foto, e não se imaginou lá com alguém... Quantas vezes você estava do lado de alguém, e sua cabeça não estava ali?
Alguma vez você já se arrependeu de algo que falou dois segundos depois de ter falado?
Você deve ter visto que aquele filme, que vocês dois viram juntos no cinema, vai passar na TV... E você gelou porque o bom daquele momento já passou...
E aquela música que você não gosta de ouvir porque lembra algo ou alguém que você quer esquecer mas não consegue?
Não teve aquele dia em que tudo deu errado, mas que no finzinho aconteceu algo maravilhoso?
E aquele dia em que tudo deu certo, exceto pelo final que estragou tudo?
Você já chorou por que lembrou de alguém que amava e não pôde dizer isso para essa pessoa? Você já reencontrou um grande amor do passado e viu que ele mudou?
Para essas perguntas existem muitas respostas...
Mas o importante sobre elas não é a resposta em si... Mas sim o sentimento... Todos nós amamos, erramos ou julgamos mal... Todos nós já fizemos uma coisa quando o coração mandava fazer outra...
Então, qual a moral disso tudo? Nem tudo sai como planejamos portanto, uma coisa é certa... Não continue pensando em suas fraquezas e erros, faça tudo que puder para ser feliz hoje!
Não deite com mágoas no coração. Não durma sem ao menos fazer uma pessoa feliz! E comece com você mesmo!

(Martha Medeiros)

Às vezes.

Às vezes eu queria que os meus pés não encontrassem tantas pedras onde tropeçar.
Às vezes eu queria poder voar, só pra fugir daquilo que me persegue.
Às vezes eu queria saber do futuro, pra poder tomar as decisões certas no presente.
Às vezes eu queria ser outra pessoa.
Às vezes eu queria guardar tudo de bom que vivi na memória, e esquecer tudo de ruim.
Às vezes eu queria roubar quem amo pra mim, e queria que essas pessoas ficassem comigo pra sempre.
Às vezes eu queria mudar tudo, sem me preocupar com o que os outros vão pensar.
Às vezes eu queria poder parar o tempo.
Às vezes eu queria ir além.
Às vezes eu queria ser mais segura comigo mesma.
E às vezes eu queria poder ser alguém melhor...


quinta-feira, dezembro 17, 2009

Lembranças

Aqui tem uma música, dê play, e quando a música começar, comece a ler. =)


Sabe quando você está tranquilo no seu mundo, e quando se dá conta, toca "aquela" música no rádio? E aí você pensa 'essa música é minha, droga!'. Pois é, e daí as lembranças vem, tudo volta, e parece que você vai se diluir em lágrimas. Sim, isso geralmente acontece comigo quando ouço essa musica.
Vem aquele aperto no peito, aquela angústia de talvez não ter feito tudo que eu queria, de talvez desejar que as coisas fossem diferentes, mas que infelizmente não são, de talvez querer ser alguém melhor, mais humana.
Nesses quinze anos de existência, já perdi tanta coisa, tantas oportunidades, que parece que nunca fui boa o bastante. Parece que sempre tomei a decisão errada e me arrependi depois. Parece que tudo está do jeito errado, sem volta.
Essa música me lembra as pessoas que passaram pela minha vida, e as que ainda estão nela. Me lembra os momentos felizes que tive, rindo com vontade, como se tudo não passasse de brincadeira. Lembra as tantas vezes que desejei algo, mas que não fiz por medo.

"I wonder what it's like to fly so high
Or to breathe under the sea
I wonder if someday I'll be good with goodbyes
But I'll be ok if you come along with me"

Será que minha vida é mesmo o que eu quis pra mim? Ou ela é apenas o que os outros querem que ela seja?
E se não der tempo de fazer tudo que quero?

"Such a long, long way to go
Where I'm going I don't know
Yeah I'm just following the road
through a walk in the sun
through a walk in the sun"

E é como diz a música "É um longo, longo caminho para ir".

sábado, novembro 21, 2009

Quando tudo se vai.

Os pensamentos não queriam parar de atormentá-la. E parecia que as lembranças não iriam embora tão cedo. Tudo que ela queria agora, era esquecer, somente esquecer.
Mas, como que por um impulso, as palavras dele vieram em sua mente.
Lágrimas escorreram silenciosamente de seus olhos. Ela quis gritar, quebrar tudo ao seu alcance. Não. Ela não podia mais chorar por tudo que acontecera. Não podia mais chorar por alguém que jamais a deu valor. Mas tudo estava perdendo o controle, e ela não sabia mais o que fazer.
O telefone tocou, "Será ele?" - ela pensou.
Não era. Era só mais uma amiga preocupada.
"Vai ficar tudo bem, juro." - mentiu ela, colocando o telefone no gancho.
O silêncio do quarto a atormentava, aquele tique-taque do relógio também. Ela decidiu ouvir as músicas mais melancólicas e curtir a dor intensamente. Sem medo. Sem receio.
Quase que de imediato as lágrimas voltaram. Ela não pôde fazer nada dessa vez. Escorreram pelo seu rosto livremente, seu nenhuma mão para impedi-las.
Ela voltou ao passado. Alimentou seus traumas. Como se isso fosse algo natural agora.
"Preciso escrever, agora. Preciso escrever para ele. Preciso, antes que seja tarde, antes de eu perder completamente o controle"
Ela pegou uma caneta que usara antes para anotar o nome de alguém e um pedaço de papel qualquer. Ela deveria cuidar com as palavras que iria usar, elas são perigosas quando querem.
Com as mãos trêmulas, ela começou: "Apesar de tudo, eu não consegui. Apesar de todo o meu esforço, do desejo e da segurança, eu não pude. Era você ou eu. E eu já estava um tanto cansada de escolher você. Espero que em algum momento da sua vida você possa me entender e me perdoar talvez... e perdoar a si mesmo. Não houve nada, nada dentro de mim que justificasse a minha permanência aqui. Árida, oca, anestesiada. Um vazio agoniado, dolorido, mortal. Eu preciso de mim. Mas hoje, você foi tão frio comigo, tão diferente, que cheguei até a pensar que estava tudo acabado. Eu só pensei, mas você me confirmou isso, dizendo da forma mais fria possível. E você sabia muito bem que minha vida era você. Mas agora, o que farei sem você? O que farei sem ganhar um beijo de boa noite? Sem seu sorriso contagiante e seus olhos intensos olhando pra mim? Jamais irei esquecê-lo, ou talvez esqueça, mas não aqui. Preciso partir esta noite, mas eu não teria coragem de dizer isso na sua cara, por isso resolvi escrever.
Antes de tudo acontecer, eu alimentava algo dentro de mim. Era um sentimento bom e puro. Eu o amava da forma mais sincera possível. Me sentia protegida com você, e tenho certeza que você também me amava intensamente. Mas, meu amor, o que houve? Você não era assim. Sabe, agora não sei mais o que é amor. Não preciso da tua jaula, não quero a tua realidade. Não, obrigada. Quero continuar bem assim, mas sinto que não tenho mais forças para isso. Não posso me alongar nessa carta, prometi à mim mesma ser breve, mas preciso dizer pra você o quão mal me fez essa noite. Adeus, Matt."
Ela dobrou o papel molhado com suas lágrimas quando terminou de escrever. O levou consigo para fora. A brisa da noite era agradável. Seus cabelos dançavam conforme o vento. "É agora" - pensou ela.
E sem pensar ou planejar. Deixou que seus pés a guiassem para frente, para o fim. A carta caiu depois, levemente, em cima de seu peito.

Ele a encontrou na manhã seguinte. Chocado, atordoado, tentou fazer algo, mas de nada adiantou. Ela estava linda por fora, mas completamente fria por dentro. Ele viu a carta sobre ela. Resolveu ler.
"Não, isso não está acontecendo. Lu, acorde! Pelo amor de Deus, acorde!"
Ele estava fora de si. Deitou sobre ela, com os olhos enxados, disse em voz baixa: "Eu ainda a amo. Por favor, me perdoe... por favor." Ele não sabe quanto tempo ficou lá com ela. Mas foi o tempo suficiente para perder o controle e tomar o mesmo rumo que ela. Tomado pelo peso na consciência, acabou do lado dela. Lindo por fora, e completamente frio por dentro, como ela.

domingo, novembro 15, 2009

Tua culpa

Essa ansiedade desesperada, essa pontada no peito, esse nó na garganta... o que eu faço com isso? Já tentei caminhar, ler, ouvir música, dançar, conversar, dormir. Nada adianta. E eu aqui nessa angústia, sem saber o que fazer. Mas a culpa é tua. Só tua. Eu estava muito bem na minha, fingindo que não me importava com a mesmice, ignorando o mundo, acreditando que eu jamais seria feliz e me escondendo dos meus prazeres. Mas aí veio você me olhando com tanta atenção. Me olhando dentro da alma.

sexta-feira, novembro 13, 2009

As coisas não são tão simples assim.

Ela estava atrasada, ele jamais a perdoaria. Mas que culpa tinha ela se o metrô demorou? Nenhuma. O nervosismo não queria ir embora. As borboletas no estômago também não. Mas o que acontecera com ela afinal? Nunca ficou assim por alguém, muito menos por ele. Bom, até agora.
Aqui estou eu, pensou ela. Ela correu os olhos pela praça quase deserta, nem sinal dele. Como ele ainda não chegou, ela podia ensaiar pela milésima vez, seu discurso. Ela queria ser breve, seca e simples. Sem demorar muito, se demorasse, ela jamais conseguiria falar tudo que planejou.
- E se ele não chegar? - Disse ela em voz alta.
- Estou aqui, querida. Desculpe a demora - Disse ele num tom tranquilo.
E então, ela virou-se para vê-lo. Estava lindo como sempre, fios de cabelo nos olhos azuis, seu sorriso encantador e sedutor.
Droga, não posso ter uma recaída agora, pensou ela.
Ele estava se aproximando, ela podia ouvir sua respiração se tornar mais intensa. Ela se virou, não pode ver muito bem por causa do reflexo do sol, mas sabia, que ele olhava diretamente para ela.
- O que você quer me dizer, meu bem? - Disse ele, com sua voz calma e contagiante.
- Precisamos conversar sobre nós... Sobre... - Ela não pôde terminar, simplesmente olhou o chão, insegura.
- Diga, estou aqui pra ouvi-la. - Disse ele aproximando-se mais.
- Ahm, em primeiro lugar, sabia que eu te amo, e que o que vou dizer agora, será o melhor para nós, você tem de confiar em mim.
Ele a olhava intensamente com seus lindos olhos azuis. E ela sabia que se olhasse diretamente para eles, não iria conseguir terminar.
- E... - Ela começou - preciso ser breve, espero que você entenda...
Ele não dissera uma palavra, e ela achava melhor assim, por parte.
- Precisamos terminar, mas não tem nada a ver com você, pelo contrário, você é maravilhoso comigo e muito carinhoso, mas... - Ela olhava pro chão o tempo todo, não conseguiria olhar para ele depois disso. Continuou - As coisas estão complicadas. Não dá mais pra ficar tranquila ou satisfeita com essa situação. Estamos juntos há muito tempo, mas eu mudei muito, e não quero mais ficar escondida com você. Não dá mais. Mas saiba que eu tentei, juro que tentei ver um lado bom nisso, mas não achei. Me desculpe, mas acho que será melhor assim.
Ela parou de fitar o chão, e olhou diretamente nos olhos azuis dele. Não demonstravam nenhuma emoção, estavam secos, um tanto atordoados.
Ele não disse absolutamente nada, somente aproximou-se dela, aos poucos...
Ela quis xingar quando seu peito bateu forte em reação ao sorriso dele, mas lá estavam seus defeitos e limitações de volta. Lá estava ela, por inteira, com todas as suas falhas; lá estava ela, sentindo-se novamente nua frente ao jeito dele a desvendar. Involuntariamente, ela aninhou-se no abraço dele e era tudo tão confortável, apesar das estranhezas que ela carregava, ela decidiu ficar por mais um tempo e um pouco mais.

sábado, novembro 07, 2009

Mundo civilizado?

Sempre tentei evitar escrever sobre violência e ver fotos sobre. Não por falta de interesse, não é isso, mas é que essas coisas sempre mexem comigo de um jeito inexplicável.
Choca. Atordoa. É quase inacreditável que algo assim aconteça em pleno século XXI, num momento em que as pessoas se vangloriam por todo o progresso que o homem conquistou. Estamos tão próximos à barbárie que nem nos damos conta. Afinal, uma das características é exatamente a de não se importar e não se envolver; é como se tudo isso fosse natural.
Nos acomodamos com essa nova realidade que nada mais nos espanta. Guerras, assaltos à mão armada, sequestros - tudo virou rotina.
Um dia desses, estava eu vendo blogs, e algo me chamou a atenção. Era uma imagem de um menino palestino, com dois tiros no peito, cercado de pessoas, alguns tentando erguê-lo, parecia estar sorrindo. A legenda dizia: "Sim, ele está morto!".
Fiquei chocada. Parecia não ser verdade - mas era.
Foi aí que me dei conta. Infelizmente, não adiantará quantos posts fizermos sobre esse assunto, ou quantos protestos. Infelizmente, não. Todos se perguntam: "então o que vamos fazer?"
Olha, penso eu que não muita coisa. A coisa ficou tão fora de controle que não tem muito a fazer.
Quando será que o resto do povo vai acordar? Quando que os chefões lá em cima vão se dar conta de que tudo isso é um absurdo? Quando?
Há muita liberdade disfarçada. Os valores espalhados pregam uma liberdade individual nunca antes conquistada, um prazer em valorizarmos nossas particularidades e desejos, mas a prática mostra que o pensamento dos brasileiros ainda beira o raciocínio de séculos atrás.

segunda-feira, novembro 02, 2009

Cansei.

Eu era assim: preocupava-me muito mais com que as pessoas à minha volta estivessem satisfeitas e felizes, independente do quanto poderia estar me sentindo mal e desanimada. Pois é. Cansei.
Não quero mais que as coisas tomem esse rumo, nunca mais. Sou feita de sonhos, sempre fui assim. E sonhos não devem ser medidos, o que conta é o que acontece dentro de você: a intensidade, o peito batendo forte, a sensação de estar vivo. E eu quero ter essa sensação que nunca tive de verdade. Quero poder acordar e sentir que as coisas realmente estão dando certo, e que eu fiz a escolha certa. Vontade de mudar não me falta, o que falta é ter coragem de enfrentar. Enfrentar aquelas pedras chatas que atravessam nosso caminho quando menos esperamos. Enfrentar o que me espera por consequencia da mudança.
Será que vai valer a pena correr este risco?
Bom, só saberei se tentar...
A verdade é que agora quando me perguntam 'Você é feliz?' tenho sorrisos por todos os lados que não deixam dúvida sobre a resposta, porque estou tentando ser alguém melhor, do meu jeito, não do jeito que as pessoas querem que eu seja.

sexta-feira, outubro 09, 2009

Vani. <3


A amizade é algo assim... essencial, sem sombra de dúvidas.
O problema, é achar amigos. Mas que fique bem claro; não estou falando daqueles "amigos", sim, é entre aspas mesmo. Porque vamos combinar; amigo, aquele de verdade, é muito mais do que ser uma companhia pra ir ao cinema ou ao shopping. Não, amigo não é pra essas coisas... Amigo é muito mais, vai além...
E posso dizer, que tem uma menina, que simplesmente me conquistou. E acima de tudo, me fez ver muita coisa que eu já nem queria mais lembrar, me ajudou em tantos problemas... Riu comigo em tantas horas boas... E acima de tudo: deixou que eu fizesse parte da vida dela.
Tenho sorte, muita sorte, porque amiga como ela, é dificil de encontrar.
O problema é a distância, maldita, mais uma vez atrapalhando .¬¬'
Mas não tem problema, isso não vai mudar o carinho enorme que sinto por ela, nunca. Vani, pode contar comigo pra tudo, tá? Estarei torcendo por você, e ajudando quando for preciso... =)

Mudanças...


Chega uma hora em nossas vidas que não adianta insistir.
As pessoas, inclusive nós mesmos, mudaram. Os tempos também. Os gostos também.
Ah, e o que é mais triste é que os sentimentos também.
E pra ser sincera, não quero que algumas coisas mudem. E principalmente; não quero que meu sentimento por alguém mude.
Quero que continue do mesmo jeito, com a mesma intensidade que está agora. Porque sei lá, é difícil imaginar o dia em que sentirei algo diferente, ou quando não sentirei mais nada.
O futuro me assusta, apavora. Dá muito medo. Medo de esquecer quem realmente nunca deve ser esquecido. Medo de tomar uma decisão errada, e com isso, mudar todo o trajeto da minha vida. Medo de dizer "tchau. acabou, não te amo mais".
Bom, é difícil falar sobre esse assunto. Só sei que penso nisso todo dia, e não consigo, de jeito nenhum, tentar imaginar uma cena assim, onde tudo se vai, pra sempre...
"O jeito é viver o agora", me disseram uma vez, e isso não está 100% errado, não saberemos o que vai acontecer amanha mesmo, porque se preocupar?
Mas não tem como fugir, de um jeito ou de outro, esses pensamentos cunfusos e estranhos invadem nossa mente. E sem pedir licença, nos assustam, demais...

quarta-feira, setembro 30, 2009

Preciso...

O calor dos teus dedos na minha mão ainda está aqui. Às vezes acho que não sei lidar com saudade.
Essa distância que nos separa me parece desumana, fora do normal, absurdamente inaceitável.
Não sou capaz de me perdoar quando sei que passo quase todo o tempo desejando você aqui comigo. Não posso perdoar a ideia de que poderia ter sido diferente e que talvez dependesse de mim.
Nada me dói mais do que saber que eu poderia pedir para você ficar e que isso teria feito toda a diferença. Bastava coragem para dizer que eu quero você. Só você.
Você não faz ideia do quanto eu me detestei naquele dia. Até então, eu não sabia que talvez aquilo era o que você queria ouvir, mas ainda assim eu me detestava por não ter arriscado.
Eu poderia ter ido junto com você, e agora estaríamos juntos, finalmente juntos.
Mesmo você estando longe, estamos perto demais.
Não há nada nesse mundo que eu deseje mais do que estar com você.
Então, por favor, volta. Volta porque eu não suporto mais esse abismo físico. Volta porque eu quero menos distância entre teus dedos e o meu corpo. Volta porque eu quero fotos nossas, quero sussurros no cinema e um beijo antes de dormir. Volta porque eu quero você. E não porque seja uma necessidade doentia; eu posso viver sem você, mas não quero. Não mesmo...

Egoísta, eu?

Se é egoísmo não sei, só sei que estou perdendo o controle da situação. Sempre fui aquela que tinha tudo sob controle, mas agora as coisas mudaram... Eu mudei.

Não aguento mais isso, não posso mais suportar a falta do teu olhar, do teu toque...

Eu não sei conviver com a idéia de que isso acontece. Eu não aceito a rapidez com que as coisas aconteceram. Eu não me conformo. Eu não me perdôo. Egoísmo meu te desejar tanto aqui.


Sinto tua falta, volte pra mim, por favor...

sábado, setembro 26, 2009

Ana.


Faz tempo, confesso. Mas me sinto como aquela menininha, indefesa, e sem um ombro amigo pra chorar e desabafar.
Como pode um sentimento assim, tão minúsculo, trazer tanta alegria, bagunça e sorrisos?
Como pode uma pequena amizade se transformar em algo essencial e especial em nossas curtas vidas?
Sim, você é a melhor amiga que alguém pode ter. Com seu jeitinho meigo e simpático, me conquistou.
Mas o destino, como de costume, quis interferir, tirando você de mim. Foi difícil? Foi. Demais.
Choramos, desoladas, não tinha como fugir...
O jeito foi nos acostumarmos, só nos restou isso.
Mas hoje, é tão bom relembrar essa época, conseguimos superar a despedida. E hoje, estamos mais amigas do que nunca. Obrigada por existir. =)

sexta-feira, setembro 25, 2009

Você é tudo que preciso...


Se eu quero você por perto? É claro que sim!
Você é tudo pra mim, simplesmente tudo.

Meu companheiro. Meu discípulo mais fiel e desleixado. Meu primeiro.
Meu.
Pra sempre e pra sempre mais. E a forma mais sensata de ficarmos felizes é sermos agora, mais do que nunca, um para o outro aquilo que precisamos.

E eu preciso de você e você de mim. Mas enquanto a distância continua atrapalhando, trate de se fortalecer sem mim que eu farei o mesmo no meu cantinho, que, assumo, é bem mais sem graça sem você.


Te amo... pra vida toda... {L}

quinta-feira, setembro 24, 2009

Ele sabe...

A sua presença faz meu dia mais feliz.
Me anima quando tudo parece quebrado, obscuro e sem sentido.
Você trouxe as gargalhadas que eu mais precisava nesse tempo de caos.
Me deu força e levantou minha cabeça. Acalmou minha alma, me fez pensar e enxergar as coisas, principalmente aquelas que eu não queria ver.
Você foi aquela luzinha gostosa que nos acorda, com aquela sensação de aconchego e carinho...
O que eu faria sem você? Simplesmente não sei.
Você já faz parte da minha vida, na verdade sempre fez parte dela...
Sempre sonhei e desejei alguém assim, como você...
Obrigada por tudo... Te amo... =)

segunda-feira, setembro 21, 2009

A dor que dói mais...


"Sabe o que é ficar doente sem saber?
Sabe o que é perder a vida?
Conversas, promessas, planos, declarações...
Todos os dias começam a parecer iguais.
As coisas parecem que nunca vão dar certo.
O mundo começa a desabar na sua cabeça
Juras de amor viram pó
Pessoas eternas desistem de você
É como se você perdesse a cabeça
E só cometesse erros atrás de erros
A vida começa a perder o sentido
Suas forças vão desaparecendo
Você olha pro lado e não vê ninguém
Não, você não está sozinho, mas é assim que você se sente
O tempo todo numa solidão amarga
Uma angústia que te aperta o peito
E te faz querer gritar!
Crises de choro diárias...
Lágrimas que não param de escorrer
Mesmo que você faça de tudo para impedi-las
Não conseguir respirar
Sentir que falta ar em volta
Se tornar um corpo fraco e vazio
Sem sentimentos
Sem vontades
Sem ambições
Não ter ânimo pra levantar da cama
E ter a certeza de que a melhor hora é a de dormir
Ter pensamentos completamente suicidas
E chegar a realizá-los
Talvez não na intenção de tirar a vida
Mas de provar que existe uma dor real, uma dor que você pode enxergar
E não te corrói por dentro
É não aguentar o peso do seu corpo
Acordar todos os dias com os olhos inchados
Pedir desesperadamente um fim pra sua vida
É não viver, e sim, sobreviver
Respirar por pura obrigação
Já ouviu alguém dizer que queria morrer
E pensou na mesma hora que era só drama?
O que leva um ser humano a querer tirar sua vida?
Acha que é drama querer parar a dor com um fim?
Acha drama ter medo de se envolver com alguém que é real?
Acha drama ter que tomar remédio pra controlar choros constantes?
Pois antes que você reclame mais uma vez
Da sua unha quebrada ou da chuva de sábado a noite
Olha em volta e imagine como é não existir
Feche os olhos e tente imaginar como é não ter apoio, estar num buraco e sempre cavar mais fundo
Agora responda:
Acha mesmo que você tem noção do que é dor?"

A maneira mais eficaz de aproveitar o tempo...

Há uns dias atrás, eu estava sentada na rodoviária esperando o ônibus pra voltar pra casa, quando duas mulheres, que aparentemente não se conheciam, sentaram-se perto uma da outra... Elas começaram a conversar, sobre carteira de motorista... E eu, que estava lendo um livro, comecei a prestar atenção na conversa delas... E uma coisa eu achei interessante. Como é fácil fazermos novos amigos. Talvez elas nunca mais se verão, talvez manterão contado, não importa. O que importa é que elas fizeram algo diferente. Algo que poucas pessoas fazem. Ao invés de ficarem esperando o ônibus, aproveitaram para conversar. Uma ótima maneira de passar o tempo... Não deixando ele passar em vão...

segunda-feira, setembro 07, 2009

...wait for me...

"Quem ama espera, uma vez mais..."

=)

Algo Improvável.


Eu diria que amar é algo completamente improvável. Imaginem a seguinte história: "dois amigos, de muito tempo, começam a sentir algo a mais. Mas não querem revelar isso, por medo de perder a amizade, que era tão valiosa. Sendo assim, ambos decidem continuar a vida normalmente, mas o coração não quer continuar assim. Ele quer mais, sempre quis. Mas e agora? Confessar a paixão secreta? E se não forem correspondidos, o que fazer?..."

Putz, isso ninguém espera, afinal, amigos existem para serem somente amigos, nada mais que isso. Uma paixão pode surgir de uma amizade? Se sim, porquê?

Tanta gente se pergunta isso, sou só mais uma querendo saber.
Quem souber o motivo disso acontecer, me diga, por favor...

. . .


Quando tudo está da maneira que queremos, tudo perfeito, parece que nada nem ninguém consegue tirar essa felicidade de dentro de nós.
Mas, a vida resolve armar alguma silada, algo improvável, e assim, nós caímos... pro fundo... onde tudo começou...

segunda-feira, agosto 24, 2009

Tanto tempo...


E você já está aqui faz tanto tempo. Na verdade você sempre esteve, as vezes parece que vai sempre estar. E é tão estranho, e dói tanto pensar que um dia vai ser diferente. Como seria acordar, e não encontrar com você? E no café, não ouvir a sua voz? Como seria não ter que se despedir antes de ir para o trabalho? Como seria não descutir com você? Não brigar por uma porta fechada, por uma janela aberta? Como seria se eu tivesse que existir sem você? É tão estranho. Dói tanto pensar. Deus me faria um favor tão grande se me levasse primeiro. Assim nunca saberia como seria não viver com você. Afinal, você está aqui faz tanto tempo...

Clarice Lispector

sexta-feira, agosto 21, 2009

Não tem fim...

O que seria, da nossa vida sem eles, os amigos?
Impossível imaginar...
A distância realmente atrapalha... Mas ao mesmo tempo, faz com que a amizade fique cada vez mais forte e duradoura... Se isso não acontecer, não chegou a ser uma amizade verdadeira...
Posso dizer que tive sorte com meus amigos... Claro, que a maioria, foram só amigos "pras horas boas" e nada mais... Mas mesmo assim, se não fossem eles, eu não teria me divertido tanto...
Mas teve aqueles, que foram minha família, quando todos me abandonaram e me deixaram de lado. Considero muito amigos assim...
Mas chegou a hora de ir embora e deixar-los pra trás. Vai doer, machucar e sufocar por dentro. Querendo ou não, chegou a hora de seguir em frente.
Nada de drama, mas, eles farão muita falta pra mim. Eles foram aquela luzinha gostosa no fim do túnel quando nada parecia ter saída, foram a família que me permitiram escolher.
Dedico este post à vocês, meus amigos fiéis: Bia, Nadi, Bruna, Roger, Jardel, Patrick, Jana, Maga, Cris, Carol, Thais, Jú... Vocês fizeram com que minha vida ficasse mais colorida, mais feliz, agradecerei sempre!

quarta-feira, agosto 19, 2009

A mentira perfeita...

video

"...Está esperando por você..."

A pessoa perfeita existe?


"Encontre um homem que te chame de linda em vez de gostosa.


Que te ligue de volta quando você desligar na cara dele.


Que deite embaixo das estrelas e escute as batidas do seu coração, ou que permaneça acordado só para observar você dormindo.


Espere pelo homem que te beije na testa.


Que queira te mostrar para todo mundo mesmo quando você está suando.


Um homem que segure sua mão na frente dos amigos dele.


Que te ache a mulher mais bonita do mundo mesmo quando você está sem nenhuma maquiagem.


E que insiste em te segurar pela cintura.


Aquele que te lembra constantemente o quanto ele se preocupa com você e o quanto sortudo ele é por estar ao seu lado.


Espere por aquele que esperará por você...


Aquele que vire para os amigos e diga "É ela!""




Se perguntar para qualquer garota; jovem ou mais velha, ela dirá que o homem descrito acima é o "cara perfeito".
Mas a questão é, ele realmeten existe?
Existe uma pessoa perfeita?
Ah, ok. Muitas diriam que é o Edward Cullen. Mas, ele é um personagem fictício... Dessa forma, voltamos ao começo...
E se procurarmos, aqui, no mundo real, o homem perfeito, com tudo que toda mulher quer: beleza, inteligência, simpatia, bom humor, etc... será que encontraremos alguém assim?
Tá, agora você deve estar pensando, "ah, claro. Todo mundo diz isso, mas como realmente vou saber quem é o certo?"
Pois é, esse é o problema. Não sabemos...
Mas, penso eu, a maneira mais certa de sabermos quem é a pessoa destinada pra nós, é quando o coração acelera só pelo fato de pensarmos na pessoa, o famoso "friozinho na barriga", e o mais importante: você consegue, sem pretensão alguma, imaginar um futuro com aquela pessoa...
então, é bom rever essa questão do Edward. Será que ele realmente é o cara perfeito PRA VOCÊ?


"Espere por aquele que esperará por você..."






A calçada...


Todo dia, no mesmo bairro, independente do horário ou do tempo que fazia; chuva ou sol, eu caminhava sob aquela calçada.
Aquela que me conhece melhor que ninguém.
Que me entende, e me escuta quando todos me ignoram.
Tenho certeza, de que ela também não tem amigos, assim como eu. Por esse motivo nos entendemos tão bem...
Me chamam de louca, por conversar com o chão. Mas não me importo mais com isso. Afinal, se eu não desabafar com ela, com quem vou?
Lembro-me da primeira vez que a vi e conversei com ela.
Pra ser sincera, sempre gostei de observá-la. Não sei ao certo o motivo. Talvez seja por guardar tantos segredos...
Alguma coisa dentro de mim, diz que logo passarei por ela, mas não será da mesma maneira...
Ou talvez eu esteja delirando, vejo coisas fora do comum... Mas claro, eu sei que um dia todos passaremos pela minha calçada...
Talvez minha hora esteja mais próxima do que imagino...

terça-feira, agosto 18, 2009

Never...


"Os ventos que as vezes tiram algo que amamos

São os mesmos que nos trazem algo que aprendemos a amar

Por isso não devemos chorar pelo que nos foi tirado

E sim aprender a amar o que nos foi dado

Pois tudo aquilo que é realmente nosso

Nunca se vai para sempre..."

Acabou!


A sua vida era como um caderno e eu era a primeira folha dele; você olhava aquela folha e tinha certeza de que ela estaria sempre lá; com o passar do tempo você enjoou daquela folha e resolveu joga-la fora; mas sempre que você abria o caderno tinha algo que fazia falta; era a folha, ou seja, eu; você estava tão acostumado a vê-la que nem percebeu quando ela foi para o lixo; por mais que você tente recupera-la ela sempre terá marcas do dia em que você a arrancou!
Por isso aqui vai um conselho meu para todos vocês que sofrem desse mal:
Amem sem culpa, mas se isso acontecer, que esse amor seja puro e sincero, não com segundas intenções!

Quem já não passou por uma desilusão dessas?
Mas ainda bem que a vida dá voltas, e em uma delas, me afastei disso tudo. Agora são somente lembranças...

Pensamentos confusos...


Porque você mudou de uma hora pra outra?
Todo mundo erra de vez em quando...
Você não pode sempre lembrar-me que errei...
Errar é humano, e é com os erros que aprendemos a viver a vida...
Pergunto-te mais uma vez, porque você mudou?
Já aprendi a lição, isso me mata a cada dia que passa...
Quantas vezes chorei escondida, sem nem mesmo saber o porque...
Você não pode me obrigar a ser uma pessoa que não sou, isso é um crime contra a existência!
Onde escondestes o perdão?
A misericórdia?
A absolvição?
Se eu pudesse voltar no tempo eu voltava, mas infelizmente não posso corrigir meus erros, a única coisa que posso fazer é aprender com eles, e isso eu estou fazendo...
Fui ingênua, sei que não mereço teu amor, mas, por favor, perdoe-me!
Juro não cometer os mesmos erros de novo...
Nunca mais...
Você me abandonou ao invés de me ajudar a corrigir o que fiz de errado...
Sei que te magoei, mas você acha que isso também não me dói?
Me dói quando você não tem confiança em mim...
O que tenho vontade de fazer é correr, te abraçar e dizer: “Pai eu te amo”
Mas sei que não serei mais bem vinda no teu coração...
Não fui só eu que errei, sua consciência também errou em não me perdoar e colocar uma pedra nesse assunto...
Agora, eu tenho noção do que é dor...
Por favor, fale-me antes que eu coloque um fim em minha vida:
PORQUE MUDASTES?

Apresentação ou confissão (?)


Sabe, tem vezes que a vida da gente fica de cabeça pra baixo, um caos, onde nada dá certo... Pois é, e quando isso acontece, o que mais queremos é sumir, pra bem longe, em um lugar onde nenhum problema pode nos alcançar... as vezes fico pensando, se esse lugar realmente existe... E se existir, não sei se quero ir pra lá, pq se eu afastar meus problemas, se ignorar eles, não vou aprender com os erros na esperança de acertar, e desse jeito, a imaturidade tomará conta de mim... Terei medo, insegurança, e o pior: serei apenas mais uma no meio da multidão; sem sonhos sem objetivos...

Ahm, oi gente. Esse é meu primeiro post, meio melancólico eu sei, mas esse blog foi feito, para mim poder expressar meu sentimentos...
E é como a Anne disse: "O papel tem mais paciência que as pessoas"